Texto de categoria para site

Texto de categoria para sites: gênero textual ou estratégia SEO?

Saudações inter-orbitais! Você sabia que o universo SEO é tão grande que, vez ou outra, ele acaba por encontrar e combinar-se com órbitas completamente diferentes da sua própria? Uns diriam que a otimização para motores de busca é justamente o resultado desse encontro de mundos tão distintos que, de alguma forma, se dão muito bem.

É o caso, por exemplo, dos textos para categorias de produtos: esses pequenos mosaicos de estratégias de linguagem, textuais e SEO são o resultado de não menos que a combinação entre as órbitas da Linguística e o melhor das técnicas de otimização para o Google – e disso a gente entende!

Eu sou Claudio Alves, content engineer aqui na liveSEO, e hoje te convido a embarcar conosco pelos confins do universo, para investigarmos o misterioso ponto de encontro entre esses dois mundos. Já avisamos que o lugar é cercado de dúvidas, constelações e fascínios aos que se atrevem a investigar.

Tudo isso para respondermos, ao melhor estilo shakespeariano, o ser ou não ser dos textos para categoria de produtos. Afinal, eles podem ser considerados um gênero textual ou não passam de uma tática SEO para sites?

Para saber o que é um gênero textual, como os textos de categoria entram nesse contexto e qual a participação do SEO no processo, te convidamos a nos acompanhar! Preparado(a)? Vamos lá:

Na órbita da Linguística: Gênero textual? O que é isso?

Nossa viagem pelo espaço também começa com uma volta ao tempo – e para um momento em que não existiam Google, sites, internet e sequer computadores. Parece muito tempo, não é mesmo? Mas acredite, se pararmos para pensar, foi logo ali.

Durante esse “tempo obscuro”, todas as nossas necessidades de comunicação eram satisfeitas com papel, caneta, gestos e, claro, nossa voz. É da natureza humana tentar entender e ser entendido.

Por causa dessas necessidades, para cada uma dessas interações por meio da linguagem, demos conta de criar modelos-padrões de estruturas, escrita, falas e praticamente qualquer outro aspecto que você possa imaginar – e é isso que chamamos de gênero textual.

Perdido(a) no espaço? Vamos descomplicar: uma carta, um bilhete, uma mensagem por rede social, um comentário do youtube, este blogpost, um diálogo entre amigos… tudo isso e muito, muito mais podem ser considerados gêneros textuais.

Na galáxia da Linguística propriamente dita, a discussão é muito mais complexa e cheia de estrelas, constelações, sóis, planetas, buracos negros – no entanto, nosso objetivo aqui é descomplicar a ciência e os mistérios que envolvem essa área do conhecimento.

E aí, como identificar um gênero textual?

Agora, já que existe tanta diversidade em se tratando dos gêneros textuais, qual é a característica que os une no mesmo grupo? Isso é, já que eles podem ser expressos tanto pela escrita quanto pela fala e ainda serem considerados gêneros textuais, que coisa é essa que lhes dá o poder de permanecerem juntos?

Não se preocupe, não se trata de mais um mistério do universo, assim como a matéria negra ou a antipartícula – felizmente, os cientistas da Linguística deram conta de solucionar esse problema há algumas décadas!

Na verdade, tratam-se de coisas, no plural. E são características muito bem entendíveis, sem fórmulas matemáticas e equações complicadas. Quer saber quais? Olha só:

  • Os gêneros textuais são totalmente voltados para as necessidades da sociedade (assim como é necessário fazer um telefonema ou escrever uma declaração de amor);
  • Eles estão ligados à nossa cultura e são extremamente dinâmicos, mudam a todo momento;
  • São textos/falas que cumprem sua função de comunicação em contextos reais, do dia a dia e com base nas nossas interações;
  • Podem ser moldados conforme o estilo, conteúdo, forma, função e meio de propagação (o nome técnico para isso é condições de produção).

Viu só como não é difícil? E então, astronauta, voltando aos dias de hoje: será que o domínio da internet mudou alguma coisa em relação a esses gêneros textuais? A resposta é sim – afinal, novas necessidades requerem novos gêneros, certo?

O resultado do encontro entre o universo digital e a teoria dos gêneros textuais é o casamento perfeito que deu origem aos textos otimizados para o Google, dentre eles, os textos em categorias de produtos para sites.

fundo com uma mão digitando em um laptop com um vetor de barra de pesquisa e uma lupa sobrepondo no centro da imagem.

O Google e o nascimento de novos textos

Caso você tenha se ligado no spoiler deixado pelos parágrafos anteriores, já pôde ter percebido que, de fato, a expansão do mundo digital ocasionou profundas modificações na maneira pela qual entendemos, produzimos e sobretudo adaptamos nossos textos.

É como se, de uma hora para outra, um novo big bang tivesse acontecido na galáxia da Linguística e, como resultado, surgissem infinitos novos corpos celestes que encontraram seu lugar na constelação dos gêneros textuais (e outros que seguem viajando pelo universo).

Isso significa, basicamente, que a todo momento nascem novas formas de comunicação por causa da internet e, mais recentemente, por causa do Google e sua (genial) insistência em se parecer cada vez mais conosco, humanos.

Inclusive, caso queira saber mais sobre como isso acontece, é só conferir o post “Como o Google Funciona: passo a passo!” aqui no blog da liveSEO.

O melhor de tudo é que, de todos os humanos que poderiam ter sido tomados como modelo pelo Google, ele escolheu o mais exigente: a mãezona que se preocupa com seus filhos! Ou melhor: o mecanismo que oferece os melhores resultados aos seus usuários.

Onde os textos de categoria se encaixam nessa história?

Mas afinal, o que têm os textos de categoria a ver com isso? No caso, tudo. É justamente para atender às necessidades do mecanismo de busca que demos conta de inventar um gênero textual que introduzisse aos navegantes de um site os produtos de determinada seção ou categoria.

Pode parecer, por esses motivos, que as descrições de categorias são forçadas, artificiais ou meramente palavras que existem por existir, não é mesmo? Então, hora de tirar a prova real! Tá lembrado(a) das características principais de um gênero textual? Vamos ao checklist:

  • Necessidade social? Confere, afinal os textos de categoria são fruto da nossa realidade socioeconômica e a maneira em que ela se sustenta e está baseada;
  • Ligação com a cultura e dinamicidade? Duplo confere, já que é impossível dissociar a humanidade contemporânea do ambiente virtual e suas constantes modificações;
  • Baseado em interações reais e rotineiras? Também! Todos os dias, em todos os lugares, as relações de compra e venda (e a leitura de textos sobre o assunto) acontecem de forma natural e cotidiana;
  • Versatilidade e adaptabilidade? Não precisamos nem dizer o quanto a escrita de textos para internet tem se modificado ao longo dos tempos, inclusive no que diz respeito às páginas de catálogos de produtos, não é mesmo? Confere!

Resultado: Positivo, os textos de categoria são, sim, gêneros textuais – muito particulares, diga-se de passagem, justamente por evidenciar essa mescla de órbitas tão distintas quanto Linguística e SEO.

E por falar em SEO, aí vai outro spoiler para os que estão se perguntando como ele entra nessa história: em termos gerais, a otimização para motores de busca se relaciona com as condições de produção essenciais para a existência e o desenvolvimento de textos de categoria.

Para desbravar mais esse cenário, o caminho é por aqui:

E o SEO? Caiu de paraquedas ou sempre esteve lá?

Primeiramente, só um verdadeiro astronauta sabe que é impossível cair de paraquedas no espaço, uma vez que não existe ar, só vácuo. Em segundo lugar, nossos astronautas experientes com certeza já estão familiarizados com os algoritmos do Google responsáveis pelos textos SEO, certo?

É novo(a) por aqui? Então sugerimos a leitura do post “O que é BERT? O mais recente algoritmo da Google!” –, assim você aprende mais sobre como o Google realmente se comporta como uma mãezona!

Aqui, entramos na zona de turbulência em que as gravidades de ambas as órbitas competem para saber quem vence: de um lado, temos as condições de produção; do outro, o SEO.

Na realidade, não é como se, de um dia para o outro, todos os textos de categoria começassem a ser completamente produzidos sob a perspectiva da otimização para o Google, então, no quesito tempo, a vitória é das condições de produção.

No entanto, é notória a maneira como os textos em categorias de produtos são fortemente influenciados pelas regras de funcionamento próprias do SEO – isso é, as estratégias de otimização que influenciam diretamente a maneira pela qual esse gênero é pensado, executado e publicado.

Então, afinal, quem vence a disputa? Na verdade, nenhum dos dois, pois, se pararmos para pensar, ambos os termos são, em essência, sinônimos no que diz respeito à produção de conteúdo.

Basta pensar que as condições de produção são os elementos necessários para que um texto faça sentido, seja inteligível e compreensível aos seus leitores. Essas adequações incluem a forma, o conteúdo, a linguagem, os meios de distribuição etc.

Semelhantemente, o SEO se apropria das mesmas características durante o processo de otimização de conteúdo em seus textos – incluindo os de categoria. A diferença é que o SEO se dedica a estar em conformidade não só com o leitor final, mas também com o Google, intermediário responsável por fazer o texto chegar de fato a quem ele se destina.

Em resumo, o SEO de conteúdo é a materialização de algo que sempre esteve lá, mesmo sob a forma de condições de produção: a necessidade de textos bem-escritos, claros, informativos, completos e sobretudo entendíveis.

De volta à órbita SEO: estratégias de otimização para categorias

Como você bem sabe, nem só de otimizações técnicas vive uma agência de SEO. Há quem diga que o conteúdo é a manifestação física mais visível do trabalho SEO em se tratando do usuário – ou seja, antes de mais nada, os textos são os veículos de propagação das estratégias de otimização que chegam até nós quando entramos em determinado site.

Eis, portanto, a necessidade de se enfatizar a importância não só dos textos de categorias, mas também de quaisquer gêneros textuais que sofram influência da órbita SEO em algum momento de suas existências.

No entanto, nossa viagem vai chegando ao fim com algumas das principais estratégias de SEO que podem ser aplicadas aos textos em categorias de sites, dentre as quais merecem destaque:

O trabalho com o LSI (Latent Semantic Index)

Você já ouviu falar da Indexação Semântica Latente? Basicamente, é uma das estratégias que o Google utiliza para saber se um texto de categoria – e qualquer outro – está realmente otimizado para seus usuários no que diz respeito à estrutura linguística e ao conteúdo (e o motor de busca se mostra cada vez mais humanizado!).

Sentiu dificuldade em entender? Sem problemas: confira o nosso post “Latent Semantic Indexing (LSI) Keyword: Google e o Campo Semântico” e fique craque no assunto.

A atenção à estrutura do texto

Prestar atenção à estrutura de um texto significa muitas coisas: a disposição das palavras, o tamanho dos parágrafos, a formatação e a diagramação, o número de palavras e muitos aspectos que precisam ser levados em consideração por quem escreve um texto de categoria.

Todas essas questões estão relacionadas aos conceitos de escaneabilidade e legibilidade: dois palavrões para dizer que, basicamente, o Google sabe que o nível de interesse do usuário é proporcional à organização da forma do texto.

A exploração da linguagem, especialmente da escrita criativa

Essa é, de longe, a estratégia SEO mais interessante para textos de categoria. Ela consiste em, basicamente, ser criativo(a). Sim, parece clichê, mas o processo funciona mais ou menos da seguinte maneira:

Todo escritor é, também, um leitor. Independentemente do gênero textual, a todo momento estamos lendo e escrevendo textos, mensagens, bilhetes e afins. A ideia é justamente pensar no seu leitor e trabalhar a linguagem de forma entendível e diferenciada.

É como narrar uma viagem intergalática por órbitas de um sem-fim de universos e que, infelizmente, chega a seu fim, depois de muitos aprendizados sobre a até então inexplorada estrela chamada “texto de categoria” – que orbita pelas galáxias da Linguística e do SEO, mas que também pode ser visualizada lá da Terra.

E então, astronauta, gostou da viagem? Agora que você já sabe que textos para categorias de produtos são gêneros textuais e táticas de SEO, continue pela jornada de exploração e aprendizado assistindo aos nossos Webinars – lá você encontra informações sobre todos os assuntos! Ah, e fique ligado(a) também nas nossas atualizações aqui do blog. Até a próxima!

4 comentários em “Texto de categoria para sites: gênero textual ou estratégia SEO?”

Deixe um comentário

Posts relacionados